CMALA

O Curso Médio de Administração Local e Autárquica, CMALA, tem a duração de quatro (4) anos (10ª, 11ª, 12ª e 13ª Classes), visa desenvolver nos seus alunos as seguintes competências: 

  • Linguísticas: o estudante finalista do CMALA deve possuir uma determinada excelência sob o ponto de vista da escrita, da fala, da leitura e do desenvolvimento de ideias e interpretação das mesmas nas seguintes línguas, Português, francês, inglês e nas originais de angola. 
  • Comunicacionais: os estudantes do CMALA devem possuir determinada excelência na transmissão de ideias e na interpretação dos diferentes papeis no âmbito do processo de comunicação quer seja ela escrita, oral, visual ou gestual. 
  • Administrativas: os estudantes do CMALA devem possuir criatividade e excelência nas funções de planificar, organizar, coordenar e controlar. E ainda, apresentar um perfil de servidor público de excelência atendendo a uma rigorosa interpretação dos princípios que regem a administração pública local, especialmente. 
  • Geográficas: devem possuir um conhecimento de excelência sobre a organização político administrativo do país e da sua estrutura administrativa vigente. 

O técnico Médio de Administração Local e Autárquica exerce a sua actividade ao nível dos Municípios e comunas através da aplicação de técnicas e métodos de administração, gestão e execução de tarefas que configuram os serviços da Administração Local do Estado e da Administração Autárquica, contribuindo para o diagnóstico e avaliação de situações concretas e para a solução dos problemas existentes. Para o efeito, deverá integrar-se numa colectividade multidisciplinar que tenha acumulado um capital técnico ao longo da formação traduzidas em competências de saber-fazer e saber-estar.

Pré-requisitos para Inscrição 

Para ingressar no CMALA o candidato deverá preencher os seguintes pré-requisitos: 

  • Ter concluído a 9ª classe; 
  • Aprovar na prova de aptidão; 
  • Escolher um município para a realização do estágio e futuro local de trabalho; 
  • Ter no máximo 16 anos de idade.

Documentos Necessários: 

  • Cópia do bilhete de identidade ou documento comprovativo de que o candidato é menor de 17 anos de idade; 
  • Cópia do Certificado de Habilitações Literárias comprovante da aptidão na 9ª classe; 
  • Preferencialmente género feminino;  
  • Duas (2) Fotografias tipo Passe 

Critérios de admissão: 

  1. Idade – Prioridade para os mais novos, que assim ficam aptos a beneficiarem das diferentes bolsas de estudo para o ensino superior (só concedidas até aos 21 anos). Em caso de alunos com a mesma idade, o factor determinante passa a ser a classificação na prova. 
  2. Classificação na prova de admissão – O aluno com a maior nota classificativa na prova de acesso tem prioridade. Os alunos com notas abaixo de 10 valores não são admitidos 
  3. A escolha do Município, futuro local de estágio (ou a localização geográfica do município escolhido) – Sempre que dois candidatos tenham a mesma idade e nota classificativa, a prioridade deve ser dada àquele que tenha escolhido para seu futuro local de trabalho, um município mais recôndito. 
  4. O sexo do candidato – Nos casos em que haja a mesma idade, a mesma nota e a escolha recaia igualmente sobre municípios recônditos, a prioridade deve recair sobre o candidato do sexo feminino.  

Estruturas de apoio e actividades lúdicas 

Para proporcionar um melhor ambiente pedagógico aos alunos tendo em vista a qualidade da formação que se pretende, conta com laboratório de informática, laboratório de línguas nacionais e estrangeiras, biblioteca, Banco de Conhecimento, um grupo de teatro e dança, etc. 

Projecto de fim do curso 

A elaboração de um projecto no final do curso sobre aspectos do desenvolvimento municipal, comunitário ou rural, após o estágio na Administração Municipal ou comunal, que proporcionará ao aluno condições para investigar colocando em prática conceitos teóricos aprendidos na sala de aula de forma a criar sínteses e generalização que facilitem a solução de problemas concretos. 

A defesa do projecto final é feita na presença de um júri composto por 5 (cinco) membros um dos quais do Município ou do Governo Provincial e a mesma será realizada nas sedes  das Províncias. 

Caso aluno obtenha uma classificação superior a 16 valores, será publicado pelo IFAL. 

Perfil de saída 

Ambiente de Prática Lectiva

No final do curso é atribuído ao aluno o grau profissional de Técnico Médio de Administração Local do Estado e Autárquica através de um certificado de habilitações emitido pelo Instituto de Formação da Administração Local – IFAL. 

 

PLANO CURRICULAR 

Celebração da Graduação CMALA

 

O Plano curricular do Curso é constituído por um conjunto de disciplinas agrupadas em três componentes de conhecimento: Sócio-cultural, Científica e Técnica, Tecnológica e Prática. 

PROGRAMA NACIONAL DE INSERÇÃO PROFISSIONAL 

Com o objectivo de assegurar o rejuvenescimento dos quadros das administrações municipais e comunais, sobretudo para suprir a gritante carência de quadros a nível local, o Instituto de Formação da Administração Local (IFAL) criou o Programa Nacional de Inserção Profissional. 

No cumprimento deste programa, o IFAL tem vindo a enviar os alunos do CMALA à todos os municípios do país com o objectivo de proporcionar aos mesmos a necessária simbiose entre a teoria e a prática.  

Objectivos: 

  1. Assegurar que o Curso Médio de Administração Local e Autárquica se transforme num viveiro de quadros para Administrações Locais e futuras autarquias. 
  2. Assegurar a familiarização dos alunos do CMALA com as administrações municipais, os futuros locais de trabalho, 
  3. Assegurar a empregabilidade dos alunos do CMALA na Administração local do Estado. 

Resultados esperados:  

  1. Ingresso na função pública dos alunos do Curso Médio de Administração Local e Autárquica.  
  2. Todas as Administrações Municipais possam contar com técnicos médios a que se seguirá no tempo oportuno a mesma lógica para as administrações comunais. 
  3. Rejuvenescimento das administrações municipais e comunais do Estado.

Implementação: 

O estágio profissional é gradual e organizado por um período de 4 (quatro) anos. 

Anualmente, durante as férias, o aluno irá trabalhar em regime de traning on job, na Administração Municipal que escolheu, tendo em vista, em médio prazo, a sua inserção profissional e a curto, a aprendizagem tendo em conta a realidade que irá enfrentar. 

PNIP é desenvolvido em dois momentos: 

1º Momento: Estágios de inserção profissional – visa promover a aproximação do aluno ao município, futuro local de trabalho, com vista a sua familiarização com a Administração Municipal, seu funcionamento e organização na prática. Os estágios acontecem num período de cinco dias durante as pausas pedagógicas, nas três primeiras classes do curso. 

Este primeiro momento acontece da seguinte forma: 

  • 10ª Classe: Primeiro contacto com o município escolhido. Visa iniciar o processo de conhecimento do município e da Administração Municipal.  
  • 11ª Classe: Início de realização de trabalho on job. O aluno começa a realizar trabalhos administrativos sob o acompanhamento de um funcionário da Administração. 
  • 12ª Classe: Para além do trabalho on job, os alunos devem apresentar um relatório analítico comparativo entre a realidade e os ensinamentos escolares.  

2º Momento: Inserção na vida activa – visa garantir a introdução do aluno do Técnico Médio de Administração Local e Autárquica na vida activa como funcionário da Administração Municipal do município previamente escolhido. 

Neste momento, o Ex-aluno do CMALA beneficia de uma acção de capacitação técnica específica e de uma advocacia do IFAL para ser enquadrado como funcionário ou agente administrativo da Administração Municipal ou Comunal. 

Termo de compromisso

O aluno deverá assinar um termo de compromisso, colocando-se à disposição do Município escolhido após a conclusão do curso. 

Processo complementar

O Programa Nacional de Inserção Profissional inclui também o processo complementar de aprendizagem. Trata-se da formação de um grupo teatral, grupo de dança, grupo Coral, compostos inteiramente por alunos, cujo papel é a divulgação de boas práticas, tanto ao nível do desempenho e comportamento das Administrações, como dos cidadãos através de peças de teatro, como a sua posterior gravação em mídia eletrónica.